Sobe para 35 número de mortos nas enchentes em Alagoas

26 / 06 / 10

Último corpo foi encontrado sábado em União dos Palamres

Um semana depois das enchentes que atingiram pelo menos 21 municiípios de Alagoas e deixaram mais de 80 mil desabrigados, militares do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil Estadual, com a ajuda de voluntários e cães farejadores, continuam as buscas às pessoas desaparecidas. Hoje à tarde, mais um corpo, de uma das vítima das enchentes no Estado, foi resgatado por equipes do Corpo de Bombeiros.

Um homem de 28 anos, identificado como Fábio da Silva, foi localizado no leito do Rio Canhoto, no povoado Santo Antônio da Lavagem, na zona rural do município de União dos Palmares, a 85 quilômetros de Maceió. Com este, já somam 35 o número de mortes confirmadas em Alagoas.

O corpo de Fábio foi encontrado por populares na quinta-feira (24), mas apenas hoje o fato foi comunicado à Delegacia Regional de União, que acionadou o Corpo de Bombieros para realizar o resgate. Em depoimento á polícia, uma irmã da vítima disse que Fábio teria caído no rio quando tentava atravessar uma ponte, no último domingo, quando o nível da água ainda estava alto.

Depois de resgatado, o corpo de Fábio foi levado para a delegacia do município, onde ficou até a início da tarde a espera de uma equipe do Instituto Médico Legal de Maceió (IML). Ao toto, de acordo da Defesa Civil, cerca de 50 pessoas ainda estariam desaparecidas.

Até o início da noite, a Defesa Civil Estadual não tinha divulgado nenhum boletim oficial, renovando os números sobre a tragédia. “Teremos apenas um novo boletim amanha, 26/6. Estamos aguardando a chegada das equipes da Defesa Civil para poder divulgar alguma nota oficial, mas ainda não temos certeza destas informações”, informou o major Sandro, da assessoria de imprensa do Corpo de Bombeiros de Alagoas.

Lama e muito trabalho

Nas ruas de União ainda há muita lama e sujeira, apesar do trabalho initerrupto dos caminhões da prefeitura. Os moradores que moravam na rua da Ponte e no bairro Jatobá, locais completamente destruiídos pela força de enxurrada, vasculhavam nos escombros das casas a procura de documentos, lembranças e alguns utencílios.

“Perdemos tudo, mas graças a Deus escapamos da morte e vamos recomerçar do zero”, afirmou a comerciante Nanci Gomes, de 45 anos, casada e mãe de duas filhas. Ela tinha um mercadinho na rua da Ponte e o marido era dono de uma serralharia, algumas casas depois.

“Só ficamos com a roupa do couro”, acrescentou a comerciante, mostrando o que restou de um orelhão público instalado na porta do seu mercadinho, completsamente destruído. “A cheia levou cerca de 8 mil reais de mercadorias que tínhamos no mercadinho”, disse ela calculando em mais de R$ 28 mil os prejuízos com a tragédia.

Desaparecidos em Branquinha

A prefeita Branquinha, Ana Renata da Purificação (PMDB), disse que pelo menos seis pessoas conhecidas no município estariam desaparecidas, entre elas um gari da Prefeitura. Ela se reuniu com integrantes do Corpo de Bombeiros e pediu apoio para localizar os desaparecidos.

Além do militares da Defesa Civil de Alagoas, Branquinha conta com o apoio de 32 integrantes do Corpo de Bombeiros de São Paulo, que estão na cidade, para ajudar na busca e no salvamento das vítimas das enchentes.

Segundo o primeiro-tenente Daniel Gonçalves, do Corpo de Bombieros de São Paulo, a equipe vai realizar uma varredura nas margens do rio Mundaú, no início da manhã deste sábado. “Estamos preparados para resgate e salvamento aquático, terreste e com a ajuda de cães farejadores”, afirmou o militar.

Soldados do Exército ajudam na distribuição de cestas básicas aos flagelados. Uma central de distruibuição foi montada na porta da Igreja da cidade, que ficou repleta de gente em busca de alimentos, cobertores e colchões. Quem não conseguiu abrigo em prédios públicos, já que muitos foram destruídos, montaram barracas improvisadas, na parte alta da cidade e na beira da rodovia (BR104).

Na rua Pedro Omena, uma das principais de Branquinha, a delegacia da Polícia Civil e uma unidade da PM de Alagoas foram atingidas pelas enchentes. Na fachada da casa onde funcionava a delegacia da cidade dava para ver a marca da água acima da porta principal.

Os moradores da cidade continuam retirando a lama de dentro das casas que restaram em pé. O município tem pouco mais de 11 mil habitantes e pelo menos dmetade dos moradores sofreram os efeitos das chuvas. Toda a parte baixa da cidade foi destruída pelas enchentes.

Na entrada da cidade, foi montado um posto de saúde de campanha, para atendimento rápido e primeiros socorros. Segundo o Jorge Ribeira, do Grupo de Resgate de São Paulo (GRAU), a equipe médica que trabalha no posto tem feito cerca de 100 atendimentos por dia.

“São casos de pessoas sofreram escoriações ou se machucaram procurando o que restou nos escombros das casas. Mas estão aparecendo também pessoas que sofrem de diabetes e não tem como tomar a insulina, porque está faltando energia na cidade, desde o início dessa tragédia”, afirmou o médico.

Eletrobrás

O presidente das Distribuidoras de Energia do Sistema Eletrobras, Pedro Hosken, anunciou hoje, em entrevista coletiva à imprensa, que a empresa vai investir R$ 60 milhões para recuperar o sistema elétrico dos municípios atingido pelas enchentes em Alagoas.

Segundo Hosken, mais de 71 mil pessoas ficaram sem energia elétrica em Alagoas logo após a tragéida. Uma semana depois, esse número foi reduzido para 13 mil.

Com os recursos oriundos da própria Eletrobras e o trabalho ininterrupto de 250 funcionários da estatal e equipes da Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), o objetivo é restabelecer a energia o mais rápido possível anas cidades afetadas, principalmente às residências.

Hosken disse que três municípios alagoanos continuam sem energia elétrica: Branquinha, São José da Laje e Ibateguara. Outros estariam recebendo o fornecimento parcial. No entanto, a empresa espera que o fornecimento seja normalizado ainda este mês.

“Para restabelecer o sistema nessas localidades é necessário recuperar um trecho de cerca de 300 metros da subestação de União dos Palmares, e esse trabalho já está sendo feito”, explicou.

De acordo com dados divulgados pela Eletrobras, algumas cidades tiveram parte do fornecimento de energia normalizado. São elas: União dos Palmares (40%), Murici (70%), Quebrangulo (25%), Paulo Jacinto (70%), Rio Largo (80%), Santana do Mundaú (25%).

Quanto aos prejuízos causados pela destruição do sistema elétrico, o presidente disse que eles ainda estão sendo avaliados, mas garantiu que os R$ 60 milhões usados na reconstrução não sairão do bolso dos consumidores, ou seja: não haverá aumento nas tarifas para compensar o prejuízo.

Para a recuperação do sistema elétrico, estão sendo utilizados em Alagoas equipamentos rodoviários e de manutenção de linhas e rede, meios de comunicação via satélite e helicópteros.

Doações

O Corpo de Bombeiros de Alagoas divulgou no início da tarde desta sexta-feira, um novo balanço sobre as necessdidades dos municípios alagoanos atingidos pelas enchentes. Os municipios continuam precisado de comida, água e remédios, mas a necessidade maior é de material de limpeza e higiene pessoal.

Segundo dados da Coordenação Estadual de Defesa Civil, os municípios de Santana do Mundaú, União dos Palmares, Branquinha e Murici passaram a ter como necessidade prioritária material de limpeza e de higiene pessoal. Os desabrigados de Murici estão alojados em dois galpões da prefeitura, em uma estação rodoviária que não foi nem inaugura, na igreja da cidade e em escolas do município.

De acordo com a assessoria, o Corpo de Bombeiros continua recebendo alimentos, roupas, água potável e colchões, mas há necessidade mais urgente de doação deste de material de limpeza, visto que está em deslocamento para Alagoas gêneros alimentícios providenciadas pelos governos federal e estadual.

Quanto às operações de busca, duas equipes saíram por terra para Atalaia e Rio Largo ontem (24) e não foi encontrado nenhum corpo na região. Nesta sexta-feira, duas equipes se deslocam para União dos Palmares e São José da Laje para reconhecimento e buscas com embarcações, cães e mergulhadores. No entanto, não há registro de resgate de corpos.

Cinco municípios ainda continuam sem abastecimento d’água: Branquinha, Murici, Paulo Jacinto, Capela e Jacuípe. Para dar mais celeridade à resolução dos problemas, seis municípios (Rio Largo, Santana do Mundaú, São José da Lage, União dos Palmares, Murici e Branquinha) passam a contar com a implementação de coordenadores locais da Defesa Civil.

Contas bancárias

A Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil disponibilizaram contas para doação às vítimas das chuvas que atingiram Alagoas.

Caixa Econômica:

AGÊNCIA: 2735

OPERAÇÃO: 006

Nº DA CONTA: 955-6

NOME: CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

Banco do Brasil:

Banco do Brasil – C/C 5241-8 / Agência 3557-2

Banco do Nordeste do Brasil:

Conta Instituto Nordeste Cidadania / BNB Solidário

Estado de Alagoas

Agência: 031-0 (Maceió Centro) – Conta Corrente: 19.542-2

Estado de Pernambuco
Agência: 044-2 (Recife Centro) – Conta Corrente: 21.462-7

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *