Dominguinhos comemora 70 anos com show em SP

13 / 02 / 11

Dominguinhos subiu ao palco e fez uma apresentação em comemoração aos seus 70 anos de vida, completados no último sábado (12/2)

Uma das principais casas de forró da capital paulista, o Canto da Ema, em Pinheiros, recebeu um convidado especialíssimo na noite deste domingo (13). O sanfoneiro Dominguinhos subiu ao palco e fez uma apresentação em comemoração aos seus 70 anos de vida, completados no último sábado (12/2).

Recentemente, o pernambucano de Garanhuns lançou seu primeiro álbum ao vivo em 50 anos de carreira. São toadas, xotes e forrós como ‘De Volta pro Aconchego’, ‘Gostoso Demais’, ‘Tenho Sede’ e ‘Eu Só Quero um Xodó’, escrita em 1973 e regravada mais de 250 vezes, em diversas línguas. Também houve participações especiais. Gilberto Gil colaborou em Lamento Sertanejo e Abri a Porta, Chico Buarque em Tantas Palavras e Xote da Navegação e Djavan em Retrato de Vida.

Além dos instrumentos tradicionais do forró, foram usados trompete, trombone e violino. Até uma orquestra acompanhou o cantor, que cantou para Elba Ramalho, Osvaldinho do Acordeon, Mariana Aydar e seu marido, o multi-instrumentista Duani, seus convidados, no Canto da Ema.

Toda homenagem é pouca para o mestre da sanfona Dominguinhos. Na semana passada, ele deu um susto no Brasil: teve um princípio de infarto. Mas já está bem, deu até para curtir o aniversário.

Dominguinhos foi o mais fiel seguidor de Luiz Gonzaga. O tocador de sanfona, cantor e compositor se tornou o sucessor do Rei do Baião.

Gravou mais de 500 músicas em seus discos. E mais de 2 mil participações em gravações dos seus parceiros. Dominguinhos começou cedo, aos 8 anos já tocava sanfona e triângulo na feira de Garanhuns, agreste de Pernambuco, quando arrecadava moedas no chapéu de couro.

Além de sanfoneiro, Dominguinhos foi motorista de Luiz Gonzaga. Ele tem medo de andar de avião e até hoje, dirige o seu carro nas andanças pelo país e se hospeda sempre nas casas dos amigos.

Nos shows pelo Brasil, Dominguinhos divulga o forró, o baião, o xaxado, ritmos autênticos da cultura nordestina. É sempre uma atração nos encontros dos cantadores. E a mais nova parceira do velho sanfoneiro é a filha, Liv Moraes.

“Dominguinhos é um mestre da sanfona, um mestre da música. E, como pai, é o melhor pai do mundo”, elogia Liv.

Forrozeiros de todo o Brasil se reuniram no sábado para comemorar o aniversário de 70 anos do mestre Dominguinhos. Em Recife, os sanfoneiros começaram cedo. É a nova e a velha geração, tocando as músicas de Dominguinhos, lembrando o Rei do Baião e se divertindo de montão…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *