Morre o petista Luiz Gushiken, aos 63 anos

15 / 09 / 13

No ano passado, ele foi absolvido pelo Supremo no julgamento do Mensalão

O ex-ministro e ex-deputado federal Luiz Gushiken, de 63 anos, morreu na sexta-feira (13/09) no hospital Sirio-Libanês, em São Paulo. Gushiken fazia tratamento contra um câncer no estômago desde 2002 e morreu em decorrência da doença, segundo a família.

O enterro do corpo dele foi no sábado (14/9) no Cemitério do Redentor, na capital paulista. Várias lideranças e autoridades compareceram ao velório. A presidente Dilma Rousseff deixou o velório sem dar declarações à imprensa.

Na sexta à noite, a presidente Dilma soltou uma nota lamentando a morte de Gushiken e ressaltando a “dor pela ausência que ele fará para todos os que tiveram a felicidade de conhecê-lo, que puderam compartilhar da sua sabedoria e capacidade de pensar como o Brasil poderia ser uma nação mais justa para todos”.

Gushiken foi ministro da Secretaria de Comunicação do governo Luiz Inácio Lula da Silva Lula. Ele exerceu três mandatos de deputado federal pelo PT (1987-1990, 1991-1994 e 1995-1999).

Durante o período de internação, recebeu no hospital visitas de integrantes do PT, entre os quais Lula, o presidente do partido, Rui Falcão, o senador Eduardo Suplicy, deputados e dirigentes sindicais.

Bancário, Gushiken foi fundador e dirigente do PT e da Central Única dos Trabalhadores (CUT). Exerceu a coordenação de campanhas presidenciais de Lula e, no ano passado, foi absolvido pelo Supremo Tribunal Federal (STF), por falta de provas, da acusação de crime de peculato no julgamento do mensalão. A absolvição de Gushiken foi pedida pelo então procurador-geral da República, Roberto Gurgel.

O ex-ministro foi acusado de peculato (delito cometido por servidor contra a administração pública) após depoimento de Henrique Pizzolato, ex-diretor de marketing e Comunicação do Banco do Brasil, que disse ter agido a mando de Gushiken no esquema que teria desviado, entre 2003 e 2004, R$ 73,8 milhões do Fundo de Investimento da Companhia Brasileira de Meios de Pagamento (Visanet).

O dinheiro seria uma das fontes de recursos públicos do chamado “valerioduto”, esquema pelo qual eram repassados recursos a parlamentares como pagamento pelo apoio político ao governo Lula em votações no Congresso, segundo o entendimento dos ministros do Supremo.

Gushiken sempre negou as acusações e, em sua defesa, sustentou que não eram da sua alçada os recursos do fundo da Visanet.

Depois de deixar a Secretaria de Comunicação, Gushiken passou a ocupar a chefia do Núcleo de Assuntos Estratégicos (NAE) da Presidência da República, de onde se demitiu em novembro de 2011.

Gushiken atuou na corrente Liberdade e Luta (Libelu), braço estudantil da Organização Socialista Internacionalista (OSI), de orientação trotskista. Devido à ascendência nipônica, era chamado de “China” por Lula.

Em nota, a família Gushiken confirmou a morte e lembrou os momentos mais importantes da carreira dele. Nascido em Oswaldo Cruz (SP), casado com Elisabeth e pai de três filhos (Guilherme, Artur e Helena), Gushiken cursou administração de empresas na Fundação Getúlio Vargas (FGV). Foi funcionário do Banespa de 1970 a 1999 e presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo de 1984 a 1986.

Ele conheceu Lula quando ainda era secretário-geral do sindicato, na década de 70. Depois, foi presidente nacional do PT (1988 a 1990) e duas vezes coordenador da campanha de Lula a presidente (1989 e 1998).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *