IMA lança guia de identificação das espécies mais traficadas

13 / 05 / 17

Livro ‘Tráfico de Fauna em Alagoas’ apresenta a lista dos animais mais comuns encontradas em ações de fiscalização e resgate

A equipe de Gestão de Fauna do Instituto do Meio Ambiente do Estado de Alagoas (IMA/AL) lançou, na manhã da última sexta-feira (12/5), o livro Tráfico de Fauna de Alagoas: Guia de identificação das espécies mais comuns em ações de fiscalização e resgate no Estado. O material é voltado, principalmente, para as equipes que realizam ações em campo.

Dessa forma, a publicação será prioritariamente distribuída entre as equipes do IMA, Batalhão de Polícia Ambiental (BPA), Corpo de Bombeiros, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Segundo informações do gerente de Fauna, Flora e Unidades de Conservação do IMA, Epitácio Correia, a organização do material foi possível com a disponibilização das informações reunidas entre os anos de 2006 e 2016, dos animais que deram entrada no Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Ibama.

“Alagoas faz parte da rota do tráfico de animais silvestres e é visto como uma das principais regiões no Brasil de retirada de animais para venda no comércio ilegal”, conforme a redação do livro. O material diz ainda que cerca de cinco mil animais dão entrada, por ano, no Cetas.

A maioria deles é oriunda das ações realizadas em parceria com o Batalhão de Polícia Ambiental (BPA). “Muitos chegam bastante debilitados, machucados ou estressados. Chegam animais com ferimentos de bala e chumbinho, com queimaduras e outros tipos de ferimentos. Alguns vão a óbito, a depender da gravidade dos ferimentos”, comentou a veterinária Ana Cecília Pires.

O livro mostra ainda que 80% desses animais apreendidos no Estado são aves, 15% são répteis e 5% são mamíferos. Além disso, esclarece os principais aspectos sobre a biologia e ecologia de cada espécie e serve de subsídio, principalmente, para os técnicos que realizam ações de campo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *