Dia da Mulher é celebrado com ato público em Maceió

09 / 03 / 22

Manifestantes protestaram nas ruas da capital alagoana contra o desemprego, o feminicídio e exigiram do governo políticas públicas em defesa das mulheres

Autor: Ricardo Rodrigues

O Dia Internacional da Mulher foi marcado por uma manifestação em Maceió em defesa dos direitos das mulheres, contra o machismo e pelo ‘Fora Bolsonaro’. O ato teve concentração às 8 horas, na Praça dos Martírios, Centro, seguindo em direção à Praça Deodoro. A finalização do ato ocorreu no calçadão do comércio.

INTRERNACIONAL

A militante revolucionária Rosa de Luxemburg lutou bravamente “por um mundo onde fôssemos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres”. Entrou para a história, com ums das mulheres mais influentes do início do Século 20.

Militante marxista, Rosa foi um dos principais quadros do partido social-democrata alemã, mas em 2015 rompe com a sigla, por esta ter apoiado a participação da Alemanha na 1ª Guerra Mundial, e passa a lutar contra o conflito. Se vivesse os dias de hoje, certamente se colocaria contra a guerra do Putin na Ucrânia.

Em memória à Rosa de Luxemburg início esta matéria sobre o Dia Internacional da Mulher, celebrado nesta terça-feira, 8 de março, em Alagoas, no Brasil e várias partes do mundo.

ATO PÚBLICO

Em Maceió, mais de 30 entidades que lutam pelos direitos das mulheres e a igualdade de gênero, do campo e da cidade, em toda a sua diversidade (feministas, sindicais, políticas, negras, trans e movimentos sociais, entre outras), realizaram um grande ato público no Centro da capital alagoana.

Unidas em torno de um conjunto de atividades comemorativas ao 8 de Março – Dia Internacional da Mulher, as manifestantes reivindicaram direitos, denunciaram os abusos sofridos e protestaram contra o governo federal, gritando “Fora Bolsonaro”.
O ponto alto do ato unificado aconteceu na frente do Palácio República dos Palmares, sede do governo do Estado, onde as manifestantes exigiram política públicas afirmativas de atenção09 às mulheres. A concentração começou por volta das 8hs, na Praça Deodoro, de onde as manifestantes saíram em passeata pelas ruas do comércio, por volta do meio-dia.

Segundo a militante Élida Miranda, do coletivo de mulheres do PT, o ato cumpriu seu objetivo de denunciar às autoridades e à sociedade em geral, os problemas que mais atingem as mulheres em Alagoas, como os feminicídios, que têm crescido ano após ano, e as ondas de estupros, que aterrorizam a todas.

Para a representante da Marcha Mundial de Mulheres, Lenilda Lima, é preciso que o poder público compreenda a gravidade da situação e ouça as mulheres na sua diversidade, desenvolvendo ações efetivas no sentido de solucionar o problema. A militante lembrou que os casos de agressão as mulheres se multiplica, mas a maioria fica impune.

“Temos que denunciar esses crimes e cobrar providências. Por isso, estamos nas ruas, conclamamos todas as mulheres alagoanas para se unirem a nós nessa luta, por dias melhores”, ressaltou Lenilda.
Na pauta de reivindicações dos coletivos de mulheres, entes as prioridades elencadas, estão a ampliação das delegacias da mulher, com a criação de pelo menos uma em cada regional, funcionando 24hs, inclusive nos feriados e fins de semana, além de equipes capacitadas para atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica.

As mulheres também reivindicam a efetivação da Patrulha Maria da Penha, para o cumprimento da Lei Maria da Penha em Alagoas, e o empenho do governador junto aos parlamentares, para derrotar o Projeto de Reforma da Previdência no congresso nacional.
Na lista, consta ainda, a efetivação da Política Integral de Saúde da População Negra, tendo em vista que estudos apontam o racismo e a discriminação como determinantes associados ao adoecimento e à morte precoce de mulheres negras.

Das prioridades também constam realização de mutirões de documentação para mulheres rurais e urbanas; ampliação da rede de atendimento às mulheres vítimas da violência, com implantação de casas de abrigo casas de passagem, centros de referência de atendimento às mulheres e serviços de saúde especializados para o atendimento às mulheres vítimas de violência.

Além do ato unificado no dia 8, durante todo o mês de março serão realizadas atividades em defesa dos direitos das mulheres, defesa da democracia e da soberania brasileira. No dia 14/8, a Câmara Municipal de Maceió realiza uma sessão especial sobre a saúde da mulher, em tempos de pandemia. A sessão foi proposta pela vereadora Teca Nelma (PSDB).

ENTIDADES

Entre as entidades que participam da organização do Dia Internacional da Mulher em Maceió estavam as seguintes entidades: Marcha Mundial das Mulheres, Movimento Feminista Olga Benário, Coletivo Feminista Ana Montenegro, Instituto Feminista Jarede Viana, MST, CPT, Via do Trabalho, FETAG, Sindicato dos Urbanitários, Comissão de Mulheres do Sindicato dos Jornalistas de Alagoas, Grupo Flôr do Manacá, SINTTRO, Ateliê Ambrosina, Gabinete da Vereadora Teresa Nelma, CUT, Sindvigilantes, SINTEAL, AMT, PDT, Setorial Gênero PSOL, STTR – Arapiraca, STTR-São Sebastião, STTR- Coité do Noia, STTR-Belo Monte, SINDPOL, Escritório da Mulher, ADois Cia de dança e performance, MMTRP\AL, STRAAF Pão de Açúcar, STTR- Mata Grande, SINDPREV, Rede de Mulheres Negras de Alagoas, Levante Popular da Juventude, Frida Kahlo, Coletivo Antiproibicionista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *