Barão de Itararé: o humor anárquico de um ícone do jornalismo

27 / 08 / 22

Preso sem ser bandido é uma série jornalística, com personalidades da sociedade brasileira que viram o sol nascer quadrado, em cadeias ou presídios, mesmo sem ter cometido nenhum crime grave

Preso sem ser bandido é uma série jornalística, com personalidades da sociedade brasileira que viram o sol nascer quadrado, em cadeias ou presídios, mesmo sem ter cometido nenhum crime, apenas por ter pensado diferente dos regimes em vigor, ou de ter conspirado contra os poderosos, ditadores e governantes de plantão.

Os integrantes do grupo “Anarquistas Graças a Deus” fiquem à vontade para propor nomes ou escrever histórias, causos ou biografias daqueles que pagaram caro, privados da liberdade, apenas pelo fato de pensar diferente, agir ou conspirar contra regimes de forças e seus seguidores reacionários.

Começamos a série com o Barão de Itararé, que de tão irreverente tirava onda até com ele mesmo, zombando dos perrengues que passava na vida de anarquista graças a Deus.

Certa vez, como registra a matéria abaixo, foi sequestrado e levou um cacete medonho de seus algozes. Ao ser libertado, de volta à redação do jornal, colou uma placa na porta, com um recado providencial: “Entre sem Bater”.

 

MATÉRIA

Barão de Itararé: a vida trágica e o humor anárquico de um ícone do jornalismo

Por André Bernardo,

Do Rio de Janeiro para a BBC News Brasil

Em 26 dezembro 2021. 

 

REPORTAGEM

Barão de Itararé: a vida trágica e o humor anárquico de um ícone do jornalismo

  • André Bernardo
  • Do Rio de Janeiro para a BBC News Brasil
Barão de Itararé em entrevista coletiva, em 1945

CRÉDITO,ARQUIVO NACIONAL

Legenda da foto,Barão de Itararé (ao centro) em entrevista coletiva, em 1945

Na manhã de 19 de outubro de 1934, o jornalista gaúcho Apparício Torelly (1895-1971) saía de casa em Copacabana, no número 188 da rua Saint-Romain, rumo ao Centro, onde trabalhava, quando seu carro, um Chrysler, foi interceptado por dois veículos. Cinco homens, alguns deles armados, sequestraram o editor do Jornal do Povo.

“Tem família?”, perguntou um dos sequestradores, já com os carros batendo em retirada. “Isso não vem ao caso”, respondeu o sequestrado. “Nem é da conta dos senhores”. “Escreva despedindo-se”, continuou o sujeito. “É um favor que lhe prestamos”. “Dispenso-o”, retrucou a vítima.

Logo, Torelly descobriu que os homens que se diziam policiais eram, na verdade, oficiais da Marinha. Estavam indignados com a publicação de um folhetim sobre a Revolta da Chibata, liderada pelo marinheiro João Cândido (1880-1969), o Almirante Negro. Como Torelly se recusou a suspender a publicação, que denunciava os maus-tratos na Marinha, foi espancado.

Os sequestradores cortaram seus cabelos, furaram os pneus de seu carro e o abandonaram, quase nu, num local deserto. Na tarde daquele mesmo dia, uma sexta-feira, depois de voltar para a redação, Torelly pendurou, na porta de sua sala, uma placa com os dizeres: “Entre sem bater”.

“O Barão é daqueles que começam uma partida do zero. É como se tivesse inventado as regras do jogo”, afirma o jornalista Cláudio Figueiredo, autor da biografia Entre Sem Bater – A vida de Apparício Torelly – O Barão de Itararé (2012). “Foi muito mais do que ‘frasista’. Foi um humorista revolucionário, anárquico, inovador. Colocar o foco sobre um único aspecto de sua obra seria como julgar Pelé por sua atuação no Cosmos, já no seu fim de carreira”.

‘Tudo seria fácil se não fossem as dificuldades’

Fernando Apparício de Brinkerhoff Torelly nasceu no Rio Grande, município a 317 quilômetros de Porto Alegre (RS), no dia 29 de janeiro de 1895. Seu pai, João da Silva, era brasileiro, e sua mãe, Maria Amélia, uruguaia. O pequeno Apparício ainda não tinha completado dois anos quando a mãe, então com 18, tirou a própria vida, com um tiro na cabeça. Até hoje, não se sabe ao certo a razão do suicídio. Especula-se que tenha sido por causa do temperamento violento do marido.

Órfão de mãe, Apparício foi mandado para um colégio jesuíta em São Leopoldo. Apesar de sua pouca idade, já esbanjava a irreverência que o tornaria famoso. Tanto que foi lá, no Colégio Nossa Senhora da Conceição, que criou seu primeiro jornal de humor, o Capim Seco, totalmente escrito à mão.

Certa vez, o professor de português pediu a Apparício que conjugasse um verbo qualquer no tempo mais que perfeito. “O burro vergara ao peso da carga”, respondeu o jovem. Nada demais, não fosse Oswaldo Vergara o nome do tal professor.

Antes de seguir carreira como jornalista, Apparício Torelly tentou a medicina. Tinha 17 anos quando se matriculou na Escola de Medicina e Farmácia de Porto Alegre. Ao chegar atrasado a uma aula de anatomia, o professor Sarmento Leite pegou um fêmur e lhe perguntou: “O senhor conhece este osso?”. Ainda ofegante, o estudante respondeu, estendendo a mão: “Não, muito prazer!”.

Barão de Itararé conversando com Manuel Bandeira

CRÉDITO,ARQUIVO NACIONAL

Legenda da foto,Barão de Itararé (ao centro) conversando com Manuel Bandeira (à esq.)

Em outra ocasião, durante uma prova oral, o professor, vendo que Apparício não sabia as respostas, pediu, irônico, a um funcionário da faculdade: “Me traga um pouco de alfafa, por favor”. “E, para mim, um cafezinho”, completou o aluno que, no entanto, não chegou a concluir o curso e largou a faculdade em 1919.

“A vida do Barão de Itararé é cheia de passagens trágicas. A começar pelos seus problemas de saúde, como a hemiplegia (paralisia total ou parcial da metade lateral do corpo)”, conta Mary Stela Surdi, mestre em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com a dissertação Barão de Itararé – A Linguagem do Humor (1998). “Desde muito jovem, foi preso e apanhou incontáveis vezes. Mas, sempre lidou com a perseguição político-ideológica com humor e inteligência”.

‘Quem inventou o trabalho não tinha o que fazer

Com passagem por diversos jornais e revistas, tanto da capital gaúcha quanto do interior do Estado, Apparício Torelly tentou a sorte no Rio de Janeiro. Na bagagem, trazia seu primeiro e único livro, Pontas de Cigarro, de poesia, de 1916, e seu primeiro jornal de humor, O Chico, que teve tiragem de oito mil exemplares, de 1918.

Aos 30 anos, foi bater à porta de O Globo. “O que quer fazer aqui?”, perguntou o então dono do jornal, Irineu Marinho (1876-1925). “Qualquer trabalho serve”, respondeu Apparício. “De varredor a diretor do jornal, até porque não vejo muita diferença”. Sua primeira coluna, intitulada Despreso, foi publicada na versão matutina do jornal, em 10 de agosto de 1925.

Ao longo da carreira, Apparício Torelly teve dois pseudônimos: Apporelly, uma fusão de “Apparício” e “Torelly”, e Barão de Itararé, o mais famoso deles, em homenagem à batalha que nunca aconteceu, na divisa entre São Paulo e Paraná, entre as tropas de Washington Luís e de Getúlio Vargas.

Com a morte de Irineu Marinho em 21 de agosto de 1925, vítima de infarto, Torelly migrou para as páginas do jornal A Manhã, de Mário Rodrigues (1885-1930), pai dos jornalistas Mário Filho (1908-1966) e Nelson Rodrigues (1912-1980). Batizada de Amanhã Tem Mais…, a coluna diária de Apporelly estreou em 2 de janeiro de 1926 e fez enorme sucesso entre os leitores.

Capa do Jornal A Manha, em 1945

CRÉDITO,FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL

Legenda da foto,Capa do Jornal A Manha, em 1945

“Eles não perdiam aquela saraivada de frases, versinhos e trocadilhos com nomes de políticos”, afirma o jornalista e escritor Ruy Castro em O Anjo Pornográfico – A Vida de Nelson Rodrigues (1992). “Algumas das melhores frases já tinham sido inventadas por Bernard Shaw, Mark Twain ou Oscar Wilde, a quem Apporelly esquecia de citar. Outras, às vezes muito engraçadas, eram dele mesmo”.

Entre outros trocadilhos famosos, Getúlio Dornelles Vargas (1882-1954), líder da Revolução de 1930, virou “Getúlio Dor Neles Vargas” e Filinto Müller (1900-1973), o torturador do Estado Novo, “Filinto Mula”. Sobre Getúlio, aliás, disse, certa ocasião: “Sabe como se chama nosso caro presidente? Gravata Preta. Adapta-se a qualquer roupa e a qualquer regime”.

Além de fazer trocadilhos com nomes de políticos, Torelly se especializou em criar paródias para frases famosas. “Os vivos são sempre e cada vez mais governados pelos mortos”, do filósofo francês Auguste Comte (1798-1857), por exemplo, virou “Os vivos são sempre e cada vez mais governados pelos mais vivos”. Já o lema integralista “Deus, Pátria e Família”, de Plínio Salgado (1895-1975), ganhou nova versão: “Adeus, Pátria e Família!”.

Apenas quatro meses depois de começar a trabalhar no jornal A Manhã, Torelly decidiu fundar seu próprio jornal: A Manha. “O jornal de humor que ele criou e manteve com ímpeto quixotesco sobreviveu de 1926 a 1959”, explica o jornalista Rodrigo Jacobus, Mestre em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com a tese Um Nobre Bufão no Reino da Grande Imprensa (2010). “Ao longo desse período, pontuou com seu humor alguns dos maiores acontecimentos do século 20, como a Revolução de 30, o Estado Novo, a Segunda Guerra Mundial…”.

Em 10 de outubro de 1929, A Manha passou a circular como suplemento do jornal Diário da Noite, do jornalista Assis Chateaubriand (1892-1968), o “Chatô”. A sociedade, porém, durou pouco: cinco meses.

Além da edição diária, Torelly publicou, ainda, três números de Almanhaque, ou seja, o almanaque do jornal A Manha. Um número saiu em 1949 e dois, em 1955. Todos traziam jogos, piadas e adivinhações. Seu principal parceiro na nova empreitada foi o chargista e ilustrador paraguaio Andrés Guevara (1904-1963).

‘Há qualquer coisa no ar além dos aviões de carreira’

Capa do Jornal A Manha

CRÉDITO,FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL

Legenda da foto,Capa do Jornal A Manha

No dia 9 de dezembro de 1935, Apparício Torelly sofreu a primeira de suas muitas prisões. O motivo da detenção nunca foi totalmente esclarecido. Uma das hipóteses é pelo fato de ele ter sido um dos fundadores da Aliança Nacional Libertadora (ANL), no Rio de Janeiro. Na manhã seguinte, Torelly foi levado para um navio-presídio ancorado na Baía de Guanabara. Nem mesmo preso perdeu sua verve cômica. A certa altura, o comandante afirmou: “O senhor está convidado a depor”. Nisso, o Barão respondeu, cínico como sempre: “Depor o governo? Me admira muito que o senhor tenha a coragem de fazer um convite desses”.

Noutra ocasião, durante um interrogatório, ouviu do juiz Castro Nunes: “A que o senhor atribui sua prisão?”. “Só posso atribuir ao fato de estar tomando um cafezinho”, respondeu. “Na minha família, sempre disseram que café faz mal”. No exato momento da prisão, Torelly estava em uma padaria, na avenida Rio Branco, tomando cafezinho.

No dia 21 de março de 1936, Apparício Torelly foi transferido para a Casa de Detenção, na rua Frei Caneca. Lá, dividiu cela, entre outros, com o jornalista e escritor Graciliano Ramos (1892-1953). “Aporelly contava piadas satirizando a situação política do país”, conta o escritor e biógrafo Dênis de Moraes em O Velho Graça – Uma Biografia de Graciliano Ramos (2012). “Só se referia, por exemplo, ao carrancudo general Góis Monteiro como ‘Gás Morteiro’ e adorava compor paródias para músicas famosas como Cidade Maravilhosa“.

Mas, aos poucos, a prisão começou a deixar marcas em Torelly. É o que relata Fábio César Alves, doutor em Letras pela Universidade de São Paulo (USP), com a tese Vivência, Reflexão e Combate: Sobre Memórias do Cárcere (2013). A obra-prima de Graciliano, explica o pesquisador, revela o quanto a prisão destruiu Aparício Torelly. “De dia, era aparentemente alegre. Mas, à noite, passava muito mal. A ponto de sofrer tremores e ranger os dentes. O que obrigava o Graciliano a agarrá-lo até que se acalmasse”.

Solto em dezembro de 1936, já ostentando sua famosa barba, Torelly virou-se para o amigo e disse, com indisfarçável admiração: “Às vezes, tenho vontade de partir-lhe a cabeça só para ver o que tem dentro”.

Ficha policial do Barão de Itararé em 1939

CRÉDITO,ACERVO CLÁUDIO FIGUEIREDO

Legenda da foto,Ficha policial do Barão de Itararé em 1939

‘Um dia é da caça… Os outros da cassação!’

Graciliano Ramos não foi o único escritor famoso que Apparício Torelly conheceu. No jornal A Manha, trabalhou ao lado de Rubem Braga (1913-1990), José Lins do Rego (1901-1957) e Marques Rebelo (1907-1973). No caso de Jorge Amado (1912-2001), foi Torelly quem apresentou o escritor baiano a sua futura mulher, Zélia Gattai (1916-2008). Foi em janeiro de 1945, durante o 1° Congresso Brasileiro de Escritores, em São Paulo. O encontro se deu na Boate Bambu. “Me apresente à moça, Barão”, pediu Amado. E, assim, os dois se conheceram.

“Não houve no Brasil, na década de 1940, escritor mais unanimemente lido e admirado do que o humorista cujo riso, ao mesmo tempo bonachão e ferino, fazia a crítica aguda e mordaz da sociedade brasileira e lutava pelas causas populares”, declarou Jorge Amado, em 1985. “Mais do que um pseudônimo, o Barão de Itararé foi um personagem vivo e atuante, uma espécie de Dom Quixote nacional, malandro, generoso e gozador, a lutar contra as mazelas e os malfeitos”.

Em novembro de 1946, Torelly arriscou-se na carreira política. Em tempos de falta d’água e de leite adulterado, adotou como lema de campanha: “Mais água! Mais leite! Mas menos água no leite!”. Deu certo. Com 3,6 mil votos, elegeu-se vereador pelo PCB. Certa ocasião, ouviu de um parlamentar: “O que Vossa Excelência fala entra por um ouvido e sai pelo outro”. “Impossível, excelência”, rebateu o Barão. “O som não se propaga no vácuo”.

Em maio de 1947, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou o registro do PCB. Com isso, Torelly perdeu seu mandato. “Na época, emissoras de rádio transmitiam os discursos dos vereadores”, relata o jornalista Mouzar Benedito, autor de Barão de Itararé: Herói de Três Séculos (2007). “Quando discursava, lavadeiras e operários paravam de trabalhar para ouvir o Barão. Em seu discurso de despedida, disse: ‘Deixo a vida pública para entrar na privada'”.

‘O que se leva dessa vida é a vida que a gente leva’

Barão de Itararé com Andrés Guevara, em 1949

CRÉDITO,ACERVO DO CLAUDIO FIGUEIREDO

Legenda da foto,Barão de Itararé com Andrés Guevara, em 1949

No dia 12 de janeiro de 1965, Torelly sofreu mais um duro golpe. Sua companheira, Aída Costa, encharcou as roupas de álcool e ateou fogo ao corpo. Foi a quinta tragédia pessoal que Torelly sofreu em sua vida: em 1897, perdeu a mãe; em 1935, Zoraide, sua segunda mulher, vítima de câncer; em 1939, Juracy, sua terceira mulher, de leucemia; em 1944, Ady, sua filha, de problemas no coração e apendicite; e em 1965, Aída, por suicídio.

Recluso, Apparício Torelly morreu enquanto dormia no dia 27 de novembro de 1971, aos 76 anos, há exato meio século. Ele morava, sozinho, num apartamento de quatro cômodos, todos abarrotados de livros, revistas e jornais, no bairro de Laranjeiras, Zona Sul do Rio. No atestado de óbito, “arteriosclerose cerebral, seguida de coma diabético”.

Apparício Torelly deixou três filhos: Arly, Ady e Ary, frutos de seu primeiro casamento, com Alzira Alves. Os sucessores são incontáveis. Os mais famosos, na opinião de Jorge Amado, foram o Stanislaw Ponte Preta, criado por Sérgio Porto (1923-1968), e o Analista de Bagé, de Luís Fernando Veríssimo. Mas, houve outros, conforme lista o jornalista e escritor Luís Pimentel em Entre Sem Bater – O Humor na Imprensa (2004): da revista Pif-Paf, de Millôr Fernandes (1923-2012), a Bundas, do cartunista Ziraldo.

“O pessoal do Pasquim assumia ser ‘neto’ do Barão e ‘filho’ do Stanislaw Ponte Preta”, observa o designer gráfico Sérgio Papi, responsável, ao lado de José Mendes André, pelo relançamento dos três volumes do Almanhaque, entre 1989 e 1995. “Não por coincidência, o jornalista Sérgio Porto foi ‘foca’ (jornalista iniciante) do Apparício no jornal Folha do Povo”. Reza a lenda que foi o Barão quem convenceu Sérgio Porto, que estreou no jornalismo como crítico de cinema, de que tinha vocação para o humor.

Dez máximas do Barão de Itararé:

1. “De onde menos se espera, daí é que não sai nada.”

2. “Quando pobre come frango, um dos dois está doente.”

3. “Tempo é dinheiro. Vamos, então, pagar as nossas dívidas com o tempo.”

4. “O fígado faz muito mal à bebida.”

5. “Negociata é todo bom negócio para o qual não fomos convidados.”

6. “Para este mundo ficar bom, é preciso fazer outro.”

7. “Quem foi mordido por cobra tem medo até de minhoca.”

8. “Sabendo levá-la, a vida é melhor do que a morte.”

9. “O tambor faz muito barulho, mas é vazio por dentro.”

10. “Este mundo é redondo, mas está ficando muito chato.”

 

CRONOLOGIA DA VIDA DO BARÃO DE ITARARÉ (1895-1971):

1895 – Nasce a 29 de janeiro, Aparício Fernando de Brinkerhoff Torelly, no Rio Grande do Sul (RS), próximo à fronteira com o Uruguai.

 

1906 – Ingressa como interno no Colégio Nossa Senhora da Conceição, em São Leopoldo (RS).

 

1909 – No colégio, faz seu primeiro jornal manuscrito, intitulado “Capim Seco”, com tiragem de um exemplar.

 

1922 – Deixa o colégio após completar o 5º ano ginasial. Mais tarde, por influência da família, matricula-se na Faculdade de Medicina de Porto Alegre (RS).

 

1916 – Publica seu primeiro e único livro “Pontas de Cigarro”, com poemas bem-humorados.

 

1918 – Nas férias sofre um derrame andado a cavalo na fazenda de um tio. Logo após, abandona a faculdade no 4º ano. Por essa época, inicia andança pelo interior do estado, fazendo conferências sobre assuntos diversos. Publica sonetos e artigos em jornais e revistas, já sob o pseudônimo de Apporelly. Funda seus primeiros jornais, entre eles “O Chico”, seu primeiro jornal de humor. Casa-se com Alzira Alves, com quem tem três filhos.

 

1925 – Já separado, muda-se para o Rio de Janeiro, onde é admitido em O Globo. Nesse mesmo ano desliga-se desse jornal e passa a colaborar com o jornal A Manhã, de Mário Rodrigues, pai de Nelson Rodrigues e Mário Filho. Para lá leva o desenhista Andrés Guevara, que conhecera a pouco.

 

1926 – Funda seu próprio jornal A Manha, parodiando o jornal de Mário Rodrigues. O jornal, de circulação nacional, faz enorme sucesso.

 

1929 – A Manha circula durante quatro meses como encarte do Diário da Noite, jornal de Assis Chateaubriand. O jornal bate recorde de vendas. Adota o pseudônimo de Rei de Itararé, em homenagem à batalha que não houve. Semanas depois, rebaixa-se a Barão, como prova de modéstia.

 

1932 – É preso após “delirante atividade revolucionária” mantida nas páginas d’A Manha.

 

1934 – Abre o Jornal do Povo em companhia de outros intelectuais de esquerda. Depois de uma série de artigos sobre a revolta dos marinheiros de 1910, o Barão é sequestrado e espancado por um grupo de oficiais da Marinha. Ao retornar à redação, afixa a placa “Entre sem bater”.

 

1935 – É preso novamente por ser um dos fundadores da Aliança Libertadora Nacional. Falece sua segunda esposa, Zoraide, com quem havia há pouco se casado.

 

1936 – Permanece preso todo o ano juntamente com Hermes Lima, Graciliano Ramos, Beatriz Bandeira, Nise da Silveira e tantos outros ativistas de esquerda. Ao fim deste ano seria libertado e tentaria relançar seu jornal, que sob severa censura, acaba por parar de circular. Casa-se pela terceira vez, com Juraci, com quem teria mais um filho.

 

1938 – Para a colaborar com o jornal O Diário de Notícias.

 

1940 – Morre Juraci, a terceira esposa. Apporelly retira-se para uma chácara em Bangu, cedida pelo industrial Guilherme da Silveira Filho. Ali é instalado um laboratório, onde o Barão desenvolve pesquisas acerca da febre aftosa, baseado nas teorias de Pasteur.

 

1943 – Morre sua filha Ady devido a complicações por uma cirurgia de apendicite.

 

1944 – Amigos e jornalistas homenageiam Aparício Torelly pelos seus 25 anos de jornalismo, com um grande banquete na ABI.

 

1945 – Reaparece A Manha, com sucesso igual ou maior do que na década de 20.

 

1947 – Candidata-se a Câmara de Vereadores do Rio, na época Distrito Federal, pelo Partido Comunista. É eleito com grande votação e o slogan da campanha é “Mais água, mais leite, mas menos água no leite”. No final do ano o PCB é cassado e o Barão perde o mandato.

 

1949 – Associado a seu grande companheiro Guevara, lança em São Paulo, para onde havia se mudado, o primeiro de seus Almanaques, ou almanaques d’A Manha.

 

1955 – São lançados em São Paulo mais dois Almanaques. Colabora durante algum tempo com o jornal Última Hora, de Samuel Wainer. Velho e cansado, fixa-se definitivamente no Rio. Casa-se pela quarta vez, Aida Costa.

 

1960 – A Manha, que nos últimos anos vinha sendo publicada como encarte do Última Hora, deixa de existir, dessa vez para sempre.

 

1963 – Viaja para a China a convite do governo de Pequim. Dedica-se até o fim de sua vida a elaborar “Horóscopos biônicos” e “quadrados mágicos”, que envolviam estudos da cabala e de numerologia, além da química e da biologia.

 

1971 – Morre a 27 de novembro, em um pequeno aparamento em Laranjeiras, no Rio, aos 76 anos.

 

 

FONTE: Livro “Barão de Itararé – Antologias d’A Manha”, por Fortuna. Uma publicação Studioma & Artprinter.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *